Sejam bem-vindos ao KatherineLangford.com.br, a sua primeira fonte de informações brasileira sobre a atriz Katherine Langford, Fique a vontade para desfrutar de todo o conteúdo postado aqui, siga também o KLBR nas redes sociais e fique ainda mais informado. Agradecemos a visita e esperamos que volte sempre! Este é apenas um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos.


Fonte: NME

Há um vídeo enorme da Katherine Langford rodando no meio da Times Square, mas provavelmente não há chances de ela sequer ver. Colocado para promover ‘Cursed’, a nova fantasia épica da Netflix, Katherine desliza sobre as encruzilhadas do mundo, girando uma grande espada medieval para todos os Nova Iorquinos usando máscaras faciais. Ainda presa em quarentena em algum lugar da Suécia, Katherine precisou se contentar com postar a foto de outra pessoa no Instagram.

“É tão incrível ver as imagens lá em cima!” ela conta ao NME via Zoom. “Mas tudo isto é simplesmente tão surreal agora. Eu adoraria ver pessoalmente, mas eu estava na Europa quando tudo isso começou, então eu tenho estado presa morando com amigos por meses, simplesmente esperando tudo passar, como todas as pessoas”.

As próximas audições foram canceladas, planejamentos de projetos foram colocados em espera, a atriz australiana de 24 anos de idade está tentando dar o seu melhor desde março – aprendendo uma nova língua e tentando pegar o violão. “Eu tentei me manter produtiva,” ela ri. “Eu comecei tentando trabalhar a minha lista de desejos, mas eu basicamente só comprei plantas. Agora eu sou uma mãe orgulhosa de plantas. Eu tenho uma dioneia chamada Schnappers e eu tenho uma Chinese Lily chamada Chris, por causa do comediante australiano (Chris Lilley). Eu estou mantendo elas vivas, então eu devo estar fazendo algo certo!”

Conseguir o protagonismo de ‘Cursed’ – uma série que se passa em algum lugar entre Game Of Thrones, a fantasia da Disney ‘Malévola’ e o cheio de sangue ‘300’ de Gerard Butler – e recém estrelada ao lado de Daniel Craig, Chris Evans e Jamie Lee Curtis no thriller do ano passado aclamado pelos críticos, ‘Entre Facas e Segredos’, Katherine claramente tem feito algo certo há algum tempo já. Há apenas 4 anos, ninguém sequer sabia o nome dela.

Crescer sendo filha de médicos no subúrbio de Perth, Katherine era nadadora profissional antes de participar de workshops locais de atuação, encontrar seu próprio agente, recusar uma vaga em uma universidade e ir em direção a um dos maiores e mais difíceis papéis de adolescente do planeta.

A primeira temporada de ’13 Reasons Why’ saiu em 2017, com Katherine assumindo o papel protagonista de Hannah Baker – uma garota do ensino médio que se mata a pós sofrer assédio mental e físico de quase todas as pessoas de sua vida, deixando para trás uma coleção de fitas de áudio para as pessoas responsáveis. Com cenas de estupro, bullying e violência emocional em quase todos os episódios (incluindo uma cena chave de suicídio que a Netflix precisou cortar porque era muito gráfica), é difícil pensar em um primeiro papel mais desafiador para um jovem ator assumir.

“Eu acho que eu estou começando a me dar mais crédito por isto,” ela diz, agora dois anos após deixar a série. “Mas naquela época foi a primeira coisa que eu tinha feito, então eu acho que eu encarei tudo superficialmente. Aquela experiência foi a minha única experiência em um set de filmagens. É um papel pelo qual eu sou muito grata por ter interpretado e uma história que eu sou muito grata de ter contado. Mas sim, quando eu olho para trás agora, eu acho que foi provavelmente o primeiro papel mais difícil por diversos motivos. Mas por uma quantidade esmagadora de outros motivos também foi o melhor. Eu tive sorte de estar rodeada por pessoas maravilhosas e criadores incríveis naquele trabalho. É um trabalho que eu sempre vou ter no meu coração.”

Mas não foi apenas o papel em si só que Katherine precisou enfrentar naquela época. Criticado de uma forma massante por sua retratação inflexível de suicídio e auto-mutilação, Katherine de repende se encontrou no centro de um dilúvio terrível de Relações Públicas envolvendo profissionais da saúde, Netflix e muito barulho de gente brava nas redes sociais.

“Eu tive alguns anos para me separar de tudo aquilo agora,” ela diz, escolhendo cuidadosamente suas palavras. “Em se tratando de fãs, ou especificamente de redes sociais, eu acho que é muito difícil entender isto. Quando eu comecei a atuar, e até agora, a minha prioridade número um é o trabalho. É o motivo de eu estar aqui. Eu amo o que eu faço e eu realmente não estava naquela série por qualquer outro motivo a não ser atuar e performar. O meu relacionamento com as redes sociais é algo que eu acho que evoluiu desde então, mas conforme os fãs tocam em assuntos mais profundos, eu realmente acredito que esta é uma parte incrivelmente humilde do trabalho. Ouvir que o que você faz afeta alguém de uma forma positiva ou que muda a perspectiva de tudo de alguém… É incrível.”

Saindo da série após a segunda temporada, Katherine assumiu um papel mais leve na brilhante comédia romântica adolescente ‘Com Amor, Simon’ antes de seu grande papel como a filha de Tony Stark em ‘Avengers: Endgame’. O único problema? As cenas dela foram cortadas da versão final.

“É uma memória que eu sou muito grata por ter, mas agora infelizmente é apenas uma memória!” ela ri, encolhendo os ombros com o fato de que ela foi cortada do maior filme de todos os tempos. “Foi uma experiência incrível e surreal. Trabalhar com os irmãos Russo, trabalhar com o Robert Downey Jr. no último dia que ele era o Homem de Ferro, na última cena dele?! Eu sou uma fã tão grande da Marvel e havia tanta coisa para eu absorver. Eu estava pisando no set de uma das maiores franquias do mundo, então para mim tudo girava em torno de absorver o máximo possível daquilo.”

Felizmente, ela teve a chance de recompensar por isto com ‘Entre Facas e Segredos’, se juntando a outro impressionante elenco (incluindo seu quase colega de elenco de Avengers, Chris Evans) conforme ela ajudou a subir a audiência do mistério de assassinato do diretor Rian Johnson. “Eu tenho tantas tantas coisas para falar sobre aquele filme e toda aquela experiência,” ela diz. “Todo mundo naquele filme simplesmente carrega tanto talento e história, mas o Rian é um cara tão humilde e maravilhoso. Eu ouvi rumores sobre uma sequência e isso me deixa tão empolgada… Mas para ser sincera eu gostaria de fazer literalmente qualquer coisa que o Rian escreve ou dirige!”

Mas antes de tudo isso, voltando para balançar uma espada no meio de um gênero fantasia – com ‘Cursed’ vendo Katherine assumir as lendas Arthurianas, maldições antigas e o buraco enorme deixado por ‘Game Of Thrones’. Adaptado de uma novela gráfica escrita por Tom Wheeler e Frank Miller (Sin City, 300), ‘Cursed’ reescreve a história de Nimue – mais conhecida como ‘Senhora do Lago’ que eventualmente entrega ao Rei Arthur sua espada mágica, Excalibur.

“Me enviaram o livro e eu simplesmente não conseguia parar de ler,” ela diz. “Eu estava procurando por algo que fosse desafiador e diferente, mas eu definitivamente não estava procurando uma grande série para fazer. Quando eu desci do avião em Londres para começar a pré-produção, já havia se tornado nessas enormes gravações de 11 meses de duração e este enorme comprometimento. Eu não acho que alguém tenha imaginado isto! Isto me fez perceber quanto tempo, dinheiro e esforço vão na criação dessas obras épicas, mas isto é muito diferente em alcance e magnitude de qualquer coisa que eu já fiz antes.”

Talvez ela tenha sobrevivido à tortura emocional de ’13 Reasons Why’, mas Katherine anda tinha muita coisa para aprender antes de assumir o papel da Nimue – uma rainha guerreira que está pulando em cavalos em meio a construções em chamas, lutando com lobos e arrancando cabeças antes de chegar no episódio 3.

“Eu não fiquei intimidada neste aspecto de forma alguma, sério,” ela diz. “Eu já fui atleta, então na verdade eu estava muito empolgada para usar o meu corpo para um papel, porque eu nunca tinha feito isto antes. Mas eu também não entendia muito da realidade do que eu estava entrando! Eu faço isso às vezes – eu sigo a minha intuição depois eu preciso me inteirar do que está acontecendo!”

Treinar intensivamente por quatro semanas para aprender equitação, lutar come spadas, coreografia e acrobacias, o grande desafio de Katherine veio em ter que ficar debaixo do clima inglês. “Os dois primeiros dias de gravaçõs foram no meio do inverno e eu precisei gravar esta cena de luta na chuva,” ela ri. “Todos os dias eu terminava ensopada. Eles basicamente jogavam outro balde de água fria em cima da minha cabeça antes de cada tomada. O dia todo. A noite toda. Por 14 horas!” 11 cansativos meses de gravações seguiram, levando Katherine mais ao limite do que nunca.

Valeu à pena? Agora quentinha e seca na Suécia, toda feliz aguando Chris Lily e Schnappers, as gravações parecem que foram há muito tempo – e a atriz está ansiosa para ver o que os fãs vão achar da série, enquanto ela espera a flexibilização do lockdown. “Crescer como fã de fantasia, não haviam muitos exemplos femininos,” ela diz. “Quando eles estavam me entregando espadas de filmes diferentes para tentar descobrir como deveria ser a Excalibur, cada espada que eles me entregavam pertencia a um homem – atores incríveis de incríveis papéis diferentes, mas eles ainda eram todos reis, cavaleiros e personagens masculinos. Nós estamos colocando uma mulher no centro deste conto lendário e isto é algo que me deixa tão orgulhosa em ‘Cursed’. Eu mal posso esperar para que todos vejam.”



Fonte: Glamour México

Não há dúvidas de que vivemos um período emocionante no mundo do entretenimento, onde as atrizes têm a oportunidade de interpretar personagens surpreendentes, bem construídos e que contam histórias de coragem e força e, finalmente, eliminando a ideia de que as mulheres são apenas “donzelas em perigo”, chega Katherine Langford com uma série espetacular, que será a favorita dos amantes de histórias épicas.

Este mês estreia ‘Cursed’, a nova série da Netflix inspirada no livro homônimo, desenhado por Frank Miller; é protagonizada – além de por Katherine Langford – por Devon Terrell, Gustaf Skarsgard e Daniel Sharman e nesta história nós conhecemos a Nimue: uma mulher corajosa, aprendiz perspicaz e a primeira a pessoa a encontrar a espada Excalibur (sim, antes do Rei Arthur). Assim, toda a sua jornada para se tornar uma lenda será cheia de poder, inspiração e maturidade.

O mundo inteiro conheceu Katherine Langford por seu papel grandioso em ’13 Reasons Why’, a série da Netflix que, sem dúvidas, mexeu no mundo do entretenimento pelos temas tão crus e reais que foram tratados. Tanto que, justamente uma das cenas de Katherine Langford no final da série, foi uma das mais impactantes e comoveu muitas pessoas. Ela ganhou o reconhecimento do público e de diretores por seu grandioso trabalho; para mostra, os dois primeiros episódios de ‘Cursed’ foram dirigidos por Zetna Fuentes, que em entrevista para a Glamour México, falou do grande prazer que foi trabalhar com Katherine: “Dirigi-la foi espetacular. Amo o mundo dela, a forma que ela trabalha me encanta, ela tem um talento enorme e é cheia de vida… Ela dá tudo de si mesma para que as coisas funcionem. Ela deu tudo para a Nimue, inclusive ela fez muitas perguntas para aperfeiçoar o papel, ela se entregou para a história. Definitivamente é um prazer trabalhar com ela.”

Depois se despedir de ’13 Reasons Why’, Katherine Langford já está marcando seu território na indústria com papéis em grandes séries e filmes como ‘Com Amor, Simon’, ‘Entre Facas e Segredos’ e, inclusive, teve um papel na saga de ‘Avengers’. Mas agora precisamos falar da série que nos dará uma nova heroína em uma aventura épica: ‘Cursed’.

Katherine Langford confessou para a Glamour que foi muito enriquecedor interpretar uma personagem como Nimue, da história medieval na linha de personagens como o Rei Arthur e Merlin. “Foi algo muito interessante para mim em diversos níveis. Eu mesma cresci vendo histórias do gênero fantasia e lembro, por exemplo, de ver a Jennifer Lawrence interpretar a Katniss em ‘Jogos Vorazes’, ou também da Angelina Jolie em ‘Tomb Raider’.” Grandes influências! Não há duvidas de que Katherine tirou delas uma boa inspiração para sua personagem, que desde o primeiro episódio entra no modo batalha para sobreviver e agora se juntará à lista de personagens corajosos.

O que amamos nas atrizes como Katherine Langford interpretando um papel como este é que nestas histórias, atores já não são mais considerados protagonistas, mas as mulheres também podem criar histórias deste nível. “Personagens como o meu são muito interessantes, ainda mais quando são baseados em lendas. ‘Cursed’ é baseada em uma das lendas mais importantes da literatura inglesa, portanto é interessante conhecer a fundo a lenda desta mulher que muita gente não conhece, que também é conhecida como ‘Senhora do Lago’. Estou muito feliz, não apenas por dar vida à Nimue para a sua história seja conhecida a nível mundial, mas também por ter a possibilidade de narrar um caminho que uma mulher passa para se tornar uma heroína. Foi tudo uma honra e também um desafio, porém um desafio muito divertido.”

Bom, Katherine Langford é conhecida por ter interpretado um drama muito intenso como foi ’13 Reasons Why’, agora vem o desafio de tentar novos estilos e gêneros e fazer com que ‘Cursed’ faça uma mudança total em sua filmografia. “É a primeira vez que faço algo deste nível e com este gênero. É a primeira vez também que tive que aprender uma grande quantidade de novas habilidades: aprendi equitação, lutar com uma espada. Esta era uma das razões pelas quais eu estava tão empolgada com este papel, haviam muitas coisas novas para aprender!” E qual é o maior aprendizada que a Katherine Langford leva deste papel? “Depois de tudo isto, passei a ter uma nova perspectiva sobre este mundo, especialmente me fez começar a respeitá-lo profundamente. As histórias épicas demandam muito trabalho, tanto por parte do elenco quanto da produção, eles investem tanto esforço e energia nestas histórias que, de verdade, agradeço a oportunidade de ter isto na minha vida.”



Fonte: Glamour UK

Katherine Langford ascendeu para a fama após estrelar como Hannah, uma adolescente que tirou sua própria vida em ’13 Reasons Why’. A série da Netflix não só engatou a carreira dela e a rendeu uma indicação ao ‘Globo de Ouro’, engatou uma nova discussão acerca de saúde mental.

Através do poder do Zoom, Katherine sentou à minha frente na sala de seu esconderijo europeu de quarentena, após se encontrar entre seu país natal, Austrália, e os EUA (Katherine é bem privada sobre seu paradeiro, com 16.6 milhões de seguidores no Instagram) e logo após a quarta e última temporada de ’13 Reasons Why’ ser lançada. O visual dela é relaxado e ela está aquecida; ela está usando uma camisa larga, com o cabelo solto e apenas um ponto leve de maquiagem. Ela me conta que começar uma discussão sobre saúde mental tão cedo na carreira dela é uma das coisas que mais a orgulha, mesmo se às vezes custar sua própria saúde emocional.

“Eu acho que de início, apenas ter papéis que se relacionam com saúde mental foi tão importante. Mas eu sou uma pessoa bem empática,” conta a atriz de 24 anos de idade. “Eu aprendi a me controlar fazendo isto agora, porque às vezes se eu ouço a história de alguém e a pessoa está chorando, eu choro com ela porque eu sinto aquela dor. Ouvir as histórias das outras pessoas me fez perceber o quão humanos todos nós somos. Eu senti isto e passei por tantas coisas enquanto eu crescia, mas você percebe que todos nós temos reações parecidas conforme vamos ficando mais velhos.”

Agora, ela aprendeu a cuidar da sua própria saúde mental, eu me pergunto, especialmente tendo em vista as discussões controversas sobre o trabalho dela? “É uma jornada, amor! Eu acho que nós sempre estamos tentando cuidar e sempre aprendendo,” ela responde. Para muitos de nós, os eventos dos últimos meses transformaram esta jornada em uma montanha-russa e a Katherine não é diferente.

Apesar de ter uma nova coleção de plantas para “conversar e cantar” – incluindo uma ficus chamada Eric por causa do Eric Clapton – Katherine passou a maior parte da quarentena sozinha. “Eu estava precisando desacelerar, mas eu passei por alguns altos e baixos porque foi muito esmagador,” ela conta. “Às vezes, você se sente bem solitário. Eu só queria um abraço. Eu sinto falta de abraços.”

É essa relacionabilidade e o fato de ela representar uma nova geração tanto na frente quanto por trás das câmeras que fizeram com que a Katherine fosse recentemente nomeada a mais nova embaixadora da L’Oreal Paris e ‘Woman of Worth’ – ela não é simplesmente um ‘rosto’ ela representa mais do que uma imagem. Apesar dos altos e baixos da vida atualmente, ela sente que vale à pena?

“Ninguém nunca sente 100%, mas você sempre vale à pena,” ela diz, com um rápido sorriso no rosto. “Alguns dias eu acordo e eu não me sinto bem. Como na quarentena agora, quando eu estou sozinha e você está usando o mesmo pijama há três dias e não vê ninguém. Mesmo você não acreditando naquilo naquele momento, você sempre vale aquela atenção. Diga suas próprias afirmações tipo ‘Garota, levante da cama, você vai conseguir’. Qualquer coisa que você quiser fazer, você pode fazer. É esta crença e esta coragem!”

As afirmações positivas certamente são convenientes tendo em vista seu papel mais recente, a resposta da Netflix para ‘Game of Thrones’, ‘Cursed’. Em uma remodelação feminista da lenda Arthuriana, a Nimue de Katherine – LEVE SPOILER: que está destinada a se tornar a ‘Senhora do Lago’ – une forças com um mercenário (Arthur) para entregar a abominável e antiga espada para Merlin. Mas em uma versão verdadeira de 2020, a própria Nimue detém o poder ao invés do futuro Rei Arthur.

Dois anos de produção, com um ano sólido filmando nos lugares mais profundos, sombrios – e naturalmente mais molhados – pelo Reino Unido, desde Cornwall até o país de Gales, as filmagens de ‘Cursed’ não foi sem desafios para Katherine. “A magnitude deste trabalho é algo que eu acho que ninguém esperava,” ela disse, inchando as bochechas. “Eu precisei aprender a lutar com espadas, andar a cavalo e aprender um novo dialeto inglês e mantê-lo durante 16 horas por dia. Eu precisava conseguir fazer essas acrobacias e manter esta energia sem me machucar. Alguns dias nós simplesmente precisávamos conseguir a cena e eu passava muito tempo na água e se você está sentindo frio, seus lábios vão tremer. Então eu aprendi a respirar através do método Wim Hof – uma respiração muito controlada – apenas para filmar poucos segundos em que seus lábios não estivessem tremendo.” Como se isto não fosse suficiente, ela até mesmo co-criou e cantou a música tema da série “I Could Be Your King”. Há ALGO que a Katherine não consegue fazer? Vamos aguarda…

Mostrando a completa resiliência desta nova rainha multifacetada das telas foi algo imperativo para a Katherine. “Fazer com que a Nimue fosse forte deste jeito e uma personagem capaz foi exatamente o que eu queria alcançar. Eu quero que jovens garotas vejam não só que elas podem ser fortes e que podem lutar, mas que elas podem fazer isto de uma forma que as honre, honre o corpo delas e também honre o gênero delas.”

No entanto, a percepção de sua própria força física – e crucialmente mental – aconteceu bem antes da época em que ela assumiu seu assento na mesa redonda do Arthur. Ela cresceu em Perth, Austrália com sua mãe Elizabeth, uma pediatra, seu pai Stephen, um “flying doctor” e sua irmã Josephine, também atriz, que estrelou no romance adolescente da infância dela, ‘After’. Katherine diz: “Eu amava e a Austrália é um dos lugares mais mágicos da Terra para mim. Mas o pensamento de me tornar uma atriz não parecia alcançável, ainda mais a possibilidade de fazer isto por tantos anos.”

Ao invés de perseguir seu sonho de atuação, ela focou em se tornar uma nadadora profissional nacionalmente conhecida, o que deu à ela fé em sua imagem corporal – algo que provou ser inestimável ao entrar em uma indústria que ainda é obcecada com a aparência. “Eu acho que não foi até recentemente e talvez até mesmo durante ‘Cursed’ que eu comecei a dar crédito ao meu corpo pelo que eu estava fazendo ele passar,” ela diz. “Por um lado, eu cresci fazendo esporte com um certo valor no meu corpo. Eu não focava apenas na aparência do meu corpo. Por outro lado, você enfrenta outras críticas como ‘você não vai caber nesta roupa, seu corpo não é deste jeito e você é muito forte’ – não que isto seja grande coisa. Eu sou muito grata por ter mantido este respeito pelas capacidades do meu corpo ao entrar nesta indústria. Eu já ouvi de várias garotas e também de garotos que disseram que adorou ver alguém que parecesse com eles!”

Se sentir refletida e vista não foi algo que cresceu junto com a Katherine, já que ela teve dificuldades em se encontrar quando estava na escola. “Eu não sabia onde eu me encaixava e isto era um grande problema para mim, eu fazia esportes mas eu também era ‘feminina’ e eu gostava de maquiagem, mas eu não queria fazer parte daquele grupo de garotas populares e eu também era nerd. Eu lembro que havia essa ‘revista de meninas’ e haviam fotos de celebridades com uma frase delas. Tinha uma foto da Scarlett Johansson que estava falando algo como ‘Simplesmente seja você mesma’. Eu tinha 12 anos de idade e eu vi isto e eu fiquei pensando ‘Mas quem eu sou? Me diga quem eu devo ser. Eu devo me vestir de uma certa forma e aí eu viro esta pessoa?'” Felizmente para a Katherine, Lady Gaga se tornou sua ‘mamma’ da cultura pop mostrando para ela que nós nascemos de fato desta forma.

Este questionamento de sua própria identidade fluiu de uma forma que ela vislumbrou sua própria jornada da beleza também. “Quando eu era mais nova, beleza ou ser bonita correspondia a ser parecido com outra pessoa,” ela diz. “Eu acho que eu me senti um pouco intimidada com maquiagem, porque a minha mãe não usava muito e eu não queria usar muito por causa do esporte. Então às vezes a beleza parecia bem opressora e conseguir ver isto como algo expressivo e libertador foi simplesmente muito libertador.”

Katherine é certamente libertadora e no controle de sua própria beleza agora, fazendo sua própria maquiagem para o ensaio fotográfico de capa da GLAMOUR sob as instruções da diretora Val Garland, diretora de maquiagem global da L’Oréal Paris, e tirando suas próprias fotos em um iPhone.

Criar fotos para capas é algo que a Katherine ainda diz que “não consegue acreditar” que ela faça parte disto, após uma jornada difícil no começo de sua carreira. “Uma das grandes lições que eu já tive foi quando eu entrei na escola de teatro após fazer testes durante três anos. Me pediram para fazer audições em dois projetos nos EUA e no Reino Unido. Então eu recusei a escola de teatro para fazê-los e fui rejeitada em ambos,” ela me conta, jogando seu longo cabelo da direita para a esquerda.

“Eu voltei para a Austrália sem poder ir para a escola, sem um trabalho e eu precisei pedir meu emprego no bar de volta. Foi naquele momento que eu estava no fundo do poço. Eu não sabia o que eu ia fazer, se eu nasci para fazer isto ou se isto sequer era possível,” ela continuou. “Eu continuei fazendo audições e foi algumas semanas após isto que o meu primeiro projeto, que acabou sendo ’13 Reasons Why’ surgiu. Isto para mim foi um grande ponto de reviravolta. Eu precisei reunir muita força para continuar fazendo isto. Eu quase desisti. Eu acho que eu quase não estaria aqui se eu não tivesse insistido. Eu sou muito grata e agradecida que tudo deu certo e a jovem Katherine continuou insistindo.”

Agora com 24 anos, Katherine certamente está fazendo o que gosta e se assegurando de que sua voz ainda seja ouvida, apesar da narrativa desatualizada sobre “mulheres difíceis” na sociedade. “Você está com tanta vontade de agradar no sentido de fazer o seu trabalho dando o seu melhor,” ela diz. “Você ouve todas essas histórias sobre as pessoas serem ‘difíceis’. Então eu tenho muita consciência de que ‘Eu não quero ser difícil.’ Ainda tem uma parte de mim que reconhece que mesmo se eu disser algo independentemente do quão eloquente ou lógico seja, vai ser visto de uma forma diferente.”

“Com ‘Cursed’ eu não fui reprimida, tipo quando as pessoas te chamam de ‘querida’ ou ‘fofa’. Havia um respeito que eu também aprendi fazendo certas acrobacias. Quando a sua voz pode ser ouvida e as pessoas podem respeita-la, ouvi-la, sem prejudicar ou sem outras ideias, é assim que deveria ser. A voz de todo mundo é igual e todo mundo tem sua própria experiência para contar, a opinião de todo mundo é válida e importante.”

Trabalhar em favor do mundo #MeToo, em que a irmandade é agora mais celebrada do que nunca fez igualmente com que Katherine sentisse que a opinião dela não é só importante mas sim válida. “Minha primeira indicação ao ‘Globo de Ouro’ veio na época do movimento ‘Time’s Up’. Reese Whiterspoon me procurou e nós conversamos no telefone. Eu pensei ‘Ai meu Deus, essa pessoa quer me dar boas vindas’. Nós tivemos uma reunião no dia seguinte e eu entrei neste cômodo com 25 das atrizes mais experientes, eu fiquei em choque, mas ao mesmo tempo eu me senti muito bem vinda. Eu fiquei um pouco chorosa quando eu estava falando com algumas delas, porque, especialmente crescendo nesta indústria, você ouve essas coisas tipo ‘Mulheres são deste jeito, mulheres são daquele jeito’ e pareceu ser tão distante da realidade,” Katherine continua. “Perceber que nós na verdade não precisamos competir – nós somos uma força tão indomável juntas quando nós realmente apoiamos umas as outras e ficamos juntas, isto só serve para nos levantar!”

Com o aumento da apreciação pelo trabalho dela, é seguro dizer que Katherine não vai aceitar ser rotulada – nem agora, nem nunca. “Eu acho que eu ainda não sei 100% quem eu sou e eu não quero colocar rótulos em mim mesma, porque nós colocamos rótulos nas coisas para fazê-las mais fáceis de digerir. Eu ainda me sinto inquieta, mas de uma forma boa porque foda-se isto, foda-se, eu vou ser eu mesma.” Por um segundo, eu sou agraciado um um pouco de como é viver na cabeça da Katherine, enquanto ela pausa e diz: “Desculpa, acabou de vir uma música da Gaga na minha cabeça em que ela canta ‘Mulher forte, eu não preciso de permissão!'”

Este é o espírito de Katherine Langford, ela não está pedindo permissão para ninguém, ela não está pedindo desculpas por seguir seu próprio caminho em uma nova Hollywood.



Fonte: Polygon

Na linha de ‘Game of Thrones’, a Netflix liderou as indicações de novas fantasias televisivas épicas, com séries como ‘The Witcher’, ‘The Dark Crystal’ e ‘The Letter for the King’ dentre suas produções originais. A próxima da fila é ‘Cursed’, uma reimaginação da lenda Arthuriana baseada em um livro do escritor Tom Wheeler e do escritor e ilustrador Frank Miller. O novo foco desta antiga lenda é Nimue, a ‘Senhora do Lago’, que no conto original presenteia o Rei Arthur com a espada mágica, a Excalibur. Em ‘Cursed’, é ela quem é destinada a empunhar a espada.

Durante uma visita no set britânico de ‘Cursed’, Katherine Langford admitiu que seu conhecimento sobre o mito Arthuriano era limitado, com algumas exceções. “Eu definitivamente assistia (a série da BBC de 2008) Merlin quando eu era mais nova e cresci aqui, então este era o meu único ponto de entendimento real das lendas do Rei Arthur,” ela disse durante um tempo livre entre as filmagens. Mas este relativo desconhecimento e a demanda física de uma reinvenção de uma história de 1000 anos de idade, foram os motivos que fizeram com que a atriz quisesse entrar de cabeça. “Essa é a primeira audição de fantasia que eu consegui então eu estava muito empolgada. Também é o primeiro papel que eu já tive que exigiu um componente físico. Há lutas de espada, passeios a cavalo, correr entre as coisas que estão pegando fogo – tem sido um tipo de processo bem diferente.”

Para Katherine, a diferença significante de ‘Cursed’ foi em centralizar a mulher que geralmente é esquecida, até mesmo em atualizações modernas do mito Arthuriano. A atriz viu o valor ao ver este tipo de interpretação: “Eu já ouvi falar da ‘Senhora do Lago’ e eu já vi desenhos incríveis dela, mas não havia muita informação por aí sobre ela – nós sabemos a jornada do herói, mas nós não sabemos direito sobre a história da heroína. E eu acho que o que faz aplicável atualmente é que você vai ver os desafios que ela especificamente enfrenta.”

Assim como esta subversão do conto clássico, a série tenta se diferenciar por si só através do design de produção. Katherine elogiou Marianne Agertoft, a chefe de figurino de ‘Cursed’, por “criar as peças de figurino mais incríveis,” e Erika Okvist, que deu uma identidade à série através do cabelo, maquiagem e próteses. “Elas realmente estão fazendo disto um mundo que parece ser único e sobrenatural.”

As grandes funcionalidades do figurino foi importante para o uso prático e também para alcançar a visão da Nimue. “Na Idade Média haviam tantas coisas que evitavam que as mulheres se tornassem heroínas,” Katherine disse. “Algo tão básico quando às roupas delas, a base do que você usa todos os dias. A Nimue vai mudando seu visual conforme nós avançamos na série, por causa do estilo, mas também pela funcionalidade, porque quando eu tentei subir em um cavalo pela primeira vez no início da temporada, eu estava usando um vestido e quando eu fui subir na sela, eu fisicamente não conseguia subir.”

Sem mencionar o apelo estético também: “Ela começa em o que eu gosto de chamar de um saco de batata glamuroso. Ela começa como uma monja medieval, então ela parecia um saco gigante que coçava o dia inteiro. E então ela passou por uma transformação… Coisas medievais padrões, mas legais.”

Katherine leva um tempo antes de elaborar, “Ela tem umas calças de couro que são muito legais. Talvez eu as roube.”



Fonte: RadioTimes

Após estrear no hit adolescente da netflix, ’13 Reasons Why’, Katherine Langford está de volta na plataforma para outro projeto – desta vez, ela está no palco central.

No reconto Arthuriano ‘Cursed’, Katherine interpreta a futura ‘Senhora do Lago’, Nimue, uma guerreira mágica que lidera uma revolução contra cultos religiosos – e de acordo com a atriz, apesar das diferenças dos dois dramas, voltar para a Netflix foi um pouco como um retorno ao lar.

“’13 Reasons Why’ foi o meu primeiro papel e algo que eu sou tão grata,” Katherine contou ao RadioTimes.com. “E obviamente, ter um ótimo relacionamento com a Netflix é uma coincidência muito feliz, já que são eles os responsáveis por esta história também.”

No entanto, Katherine admitiu que sair de ’13 Reasons Why’ na segunda temporada deu a ela um espaço para respirar antes de se recomprometer com outro papel, acrescentando que ela sente que cresceu e mudou como atriz desde que se despediu da Hannah Baker.

“Eu também acho que foi bom ter este tempo para respirar, de fechar aquele capítulo dois ou três anos atrás, e ter espaço para fazer alguns outros papéis antes de voltar para outro grande comprometimento como esta série,” Katherine explicou.

“Eu sinto que eu cresci muito mais como pessoa e espero que mais como atriz e isto é algo que eu espero continuar fazendo.”

Certamente, ela parece pensar que ‘Cursed’ – que reconta um capítulo esquecido do mito Arthuriano completo com novas versões de Merlin e Arthur – é uma chance de empurra-la ainda mais para frente.

“Eu acho que este projeto em particular é tão especial para mim,” ela nos disse, “no sentido de que realmente parece que é diferente de tudo que eu já fiz antes. E também parece que eu estou contando uma história diferente, no sentido de… É meio que de uma forma madura e crescida, o que eu sinto que eu também tenho como pessoa. Nós realmente vemos a Nimue ir desta jovem mulher para uma adulta, realmente chegar à fase adulta e eu acho que esta é uma história ou jornada que não é frequentemente contada ou nós não vemos o suficiente.”



Fonte: Glamour

Conhecida por seu emblemático papel como Hannah Baker na série 13 Reasons Why (a quarta e última temporada está na Netflix desde o comecinho do ano), a Katherine Langford tem muito o que comemorar. Aos 24, a australiana causou grande impacto em sua geração, muito por conta do seriado, e hoje é uma das principais atrizes questões envolvendo saúde mental.

Com uma nova produção a caminho (ela interpretará a heroína Nimue na série ‘Cursed’, com lançamento previso para 17 de julho), Katherine tem mais uma função para adicionar ao currículo: é a mais nova embaixadora da L’Oréal Paris. Em entrevista exclusiva, a atriz, que estará nas campanhas da gigante de beleza no próximo ano, fala sobre seus planos, referências, rotina de beleza e sustentabilidade. Aos detalhes!

G: Quais mulheres inspiram e fortalecem você?
K: Eu acho que para muitas pessoas, a mãe deles é o modelo número um, e isso é verdade para mim. No entanto, quanto mais velha fico e mais pessoas conheço, percebo que sou continuamente inspirada por mulheres em todo o mundo. Sou fã da Luma Grothe e Val Garland.

G: Quais são seus valores?
K: Meu senso de valor foi moldado por minha própria descoberta ao longo dos anos e pelas pessoas que tenho na minha vida que são importantes para mim. Acho que encontrar seu senso de autoestima é uma jornada que dura a vida toda e, embora eu ainda seja jovem, sinto que entrei muito na minha feminilidade nos últimos dois anos.

G: Pelo que você luta?
K: Saúde mental e igualdade são causas pelas quais sempre me importei profundamente. As questões ambientais e as mudanças climáticas também se tornaram cada vez mais importantes para mim.

G: De que realizações pessoais e profissionais você mais se orgulha?
K: Eu preciso ser melhor em me dar um tapinha nas costas mais regularmente, especialmente com o meu trabalho, pois ainda estou crescendo como atriz. No entanto, tenho um grande senso de alegria sobre os projetos dos quais pude fazer parte e as histórias importantes que eles trazem à tona. O feedback que eu recebo dos fãs é muito pessoal e significa muito para mim ser capaz de ajudar os outros e me conectar com eles de uma maneira significativa.

G: Já se sentiu pressionada por algum padrão estético?
K: Me senti pressionada a obedecer a uma definição comum de “bonita” muitas vezes quando assistia a anúncios que apenas promoviam o ideal padrão de beleza. Às vezes parecia que a beleza era opressiva, mas agora acho a beleza uma ótima forma de expressão, pois se tornou muito mais inclusiva e representativa do nosso mundo.

G. Você acha que ainda existem estereótipos no setor?
K: Infelizmente, sim, e sempre haverá estereótipos, a menos que as pessoas se atrevam a ser diferentes e desafiem as convenções da indústria da beleza. É muito importante que as gerações mais jovens vejam a representação na vanguarda da indústria e vejam figuras diversas que podem ser seus modelos. Só espero seguir esse sentimento sendo eu mesmo e, esperançosamente, derrubar quaisquer barreiras ou obstáculos que enfrentar, a fim de pavimentar o caminho para outros que possam se relacionar comigo ou com minha jornada.

G: Qual o papel dos produtos de beleza e do autocuidado em sua vida?
K: Para mim, o autocuidado é uma forma de amor próprio, seja investindo nos cuidados com a pele, criando uma aparência ousada de maquiagem ou penteando o cabelo de uma maneira que faça você se sentir confiante.

G: Qual produtos de beleza você não abre mão?
Tenho dois itens que não dispenso por nada: hidratante e protetor solar. Muito importante!

G: Como ser mais sustentável na nossa rotina de beleza?
K: Atualmente, estou focado em reduzir meus resíduos de plástico, apoiar dietas sustentáveis e optar pelas opções de transporte mais sustentáveis e ecológicos sempre que possível. Em uma escala mais global, tento usar minhas redes para aumentar a conscientização sobre sustentabilidade e educação sobre as mudanças climáticas.



Katherine Langford respondeu as comparações entre sua série da Netflix, ‘Cursed’, e ‘Game Of Thrones’ e ‘The Witcher’.

Baseada no livro de Tom Wheeler e Frank Miller, ‘Cursed’ é um reconto da lenda Arturiana que segue o ser mágico, Nimue, uma jovem mulher com um dom misterioso, que está destinada a se tornar a ‘Senhora do Lago’.

Ao sentar com o Digital Spy e outras mídias recentemente, a atriz (que interpreta Nimue) explicou que a próxima adaptação não se encaixa necessariamente em um gênero específico, mesmo ‘Cursed’ dividindo muito DNA com fantasia medieval.

“Eu sou muito pergntada pelos fãs e pelas pessoas que amam este gênero: ‘Como é?’ – eu ainda estou tentando entender,” ela disse.

“Para mim, ‘Cursed’ é muito interessante, porque não é nem um nem o outro. É uma mistura de seus próprios elementos e se destaca por si só neste sentido. Eu definitivamente acho que é uma história fantástica e histórica,que é cheia de ação e um suspense completo. Mas também possui uma qualidade de pé no chão. Possui laços pesados com a Terra e natureza, mas, por outro lado do espectro, há esta essência real de mágica.”



Fonte: LifeStyle.Inq

Como se puxar uma espada mágica inesperadamente de uma pedra, Katherine Langford se encontrou na posição de princesa das telas. A atriz de 24 anos de idade de Perth, Austrália, na verdade foi recusada em escolas de teatros, apesar de seu talento, porque ela era muito jovem, mas após seu poderoso papel como Hannah Baker na controversa série da Netflix ’13 Reasons Why’, ela se tornou a jovem atriz mais quente de Hollywood. Ela teve um papel peculiar no excelente elenco do thriller de Rian Johnson, ‘Entre Facas e Segredos’ e como a Morgan Stark mais velha, a filha de Tony Stark em ‘Avengers: Endgame’, da Marvel. Esta cena foi cortada da versão final, mas por demanda popular conseguiu ser restaurada para a versão da plataforma da Disney+, então Katherine sabe sabe como é reinventada.

Este mês, Katherine assume o protagonismo da rinvenção da Netflix da lenda do Rei Arthur e da Excalibur. A série de 10 episódios ‘Cursed’, baseada no romance para jovens adultos de Tom Wheeler e Frank Miller, conta com a espada mágica nas mãos da Nimue de Katherine, a legendária ‘Senhora do Lago’. Na série, Nimue é uma das pessoas mágicas Fey, que estão sendo erradicadas pelos Paladinos Vermelhos. Foi entregue a Excalibur pra ela por sua mãe que estava morrendo com uma instrução: certifique-se de que seja entrega para o desonrado Merlin (Gustaf Skarsgard). Fugindo do perigoso Weeping Monk (Daniel Sherman), Nimue une forças com o futuro cavaleiro Arthur (Devon Terrell) para encontrar o destino dela no mundo sombrio que ela se encontra.

“Eu acho que o papel surgiu em uma época muito interessante,” Katherine contou ao Super via Zoom. “Eu estava mesmo procurando por algo que fosse especial e diferente de qualquer coisa que eu fiz antes e eu não estava necessariamente procurando uma série, mas quando o manuscrito foi enviado para mim e quando eu o li, eu simplesmente soube que aquilo era algo que eu queria fazer parte. Enquanto eu crescia, eu amava fantasia. Eu amava ação e especialmente, como mulher, esses papéis em que eles colocam a mulher no centro destes gêneros são distantes e poucos, então é realmente algo que eu tenho muito orgulho em fazer parte.”

(…)

Enquanto falavam sobre os pontos fracos em filmar ‘Cursed’, tanto Katherine quanto Gustaf encontraram histórias sobre andar a cavalo. “Eu desenvolvi um relacionamento muito próximo com o meu cavalo Jack,” Gustaf disse. “Ele era um animal incrível. E nós realmente nos demos bem e ele conseguia basicamente ler a minha mente.” “E foi um trabalho trabalhar com o Jack, não tão prazeroso quanto trabalhar com a Katherine, mas foi muito maravilhoso.” Katherine admite com uma risada que ela também gostava do Jack e ficou com ciúmes do fato de Gustaf ter dado corda para o cavalo.”

A verdade seja dita, a ascenção da Nimue de ‘Cursed’ ecoa a jovem lenda que Katherine Langford é, seu novo papel proeminente é um indicativo da história que ela vai fazer, com ou sem espada mágica nas mãos. “Quer dizer, eu ainda me sinto muito jovem,” ela disse. “Tipo, eu tenho muito para pensar tanto como pessoa, quanto como atriz. Eu tenho muita sorte de ter feito parte dos projetos que eu fiz parte, mas eu novamente ainda acho que ainda há muito o que se aprender e sinceramente uma das melhores coisas sobre ter tido sorte o suficiente de participar dos projetos que eu amo e sou apaixonada é trabalhar com pessoas incríveis.”



Fonte: ClickTheCity

Por décadas at é então, as pessoas ouviam as histórias de Arthur, Merlin e da legendária Excalibur, contada de diversas formas. Na maioria das histórias, é sempre Arthur que consegue manejar a espada e usá-la com seu completo poder. Mas e se desta vez a espada escolher uma mulher?

A próxima série de fantasia da Netflix, ‘Cursed’, pergunta esta exata pergunta enquanto coloca o holofote em Nimue, a tão chamada ‘Senhora do Lago’. A história segue a heroína enquanto ela sai em uma missão para entregar a antiga espada para Merlin. Conforme ela vai fazendo as pazes com seu destino, ela começa a ser o rosto da rebelião contra os Paladinos Vermelhos e Rei Uther.

À frente da estreia da série no dia 17 de julho, nós pudemos conversar com Katherine Langford e Gustaf Skarsgard e com os criadores Tom Wheeler e Frank Miller, durante um Q&A virtual. Veja os destaques a seguir:

Sobre como eles se prepararam para os seus personagens?
O que eu realmente queria repassar foi contar a história que reconhece a experiência feminina de se tornar uma heroína com todos os obstáculos que estão no caminho dela. Então, o que eu estava procurando era não muito a andar a cavalo, mas, particularmente, a luta de espadas, e a armaria que nós vemos que tem sido tradicionalmente usada, tudo atende às necessidades dos homens e a forma em que eles lutam. É muito diferente, como mulher, como você usa sua fisicalidade e como você usa sua força, então eu trabalhei muito com o nosso coreógrafo de luta para meio que desenvolver este estilo que era único da Nimue.

Em o que separa ‘Cursed’ das outras histórias Arthurianas.
Eu acho que de diversas formas, as lendas Arthurianas são uns dos contos mais conhecidos que nós temos. Geralmente, quando você pensa nas lendas Arthurianas, você pensa no Rei Arthur, Merlin e nos Cavaleiros da Round Table. Todas as vezes, é meio que ignorado muitos dos personagens femininos do conto, mais especificamente a ‘Senhora do Lago’. Ela foi esta personagem poderosa e prolífica, ainda assim nós sabemos pouco ou nada sobre ela.
O que foi interessante em Cursed foi ver a lenda Arthuriana contada através da lente de uma das suas personagens mais poderosas. Ver através dos olhos de uma mulher é também muito especial, especialmente neste período – mesmo sendo fantasia e não se passando historicamente no nosso mundo – porque ainda é um mundo de homens. A jornada dela para se tornar uma heroína é bem diferente do que você veria para qualquer daqueles outros personagens.

Sobre trabalhar com seus colegas de elenco?
Gustaf: Foi ótimo trabalhar com a Katherine e eu soube desde as audições que nós iríamos nos divertir muito. Ela é extremamente talentosa, presente, divertida e muito habilidosa também, então foi um prazer trabalhar com ela.

Katherine: Eu acho que nós tivemos muita sorte com este elenco incrível que nós tivemos. Para mim, interpretar a Nimue, foi uma honra, porque eu meio que pude interpretar com pessoas diferentes durante a temporada. Seja a Lily Newmark que interpreta a Pim, Shalom, Devon. Há tantos atores incríveis nesta série.
Gustaf e eu nos sentimos com muita sorte porque nós temos algumas cenas bastante poderosas e especiais. É realmente incrível quando você tem a oportunidade de trabalhar com um ator que é tão habilidoso, talentoso e também respeitado pelo que faz, mas também é uma pessoa incrível. Eu me sinto muito abençoada e com muita sorte por ter este relacionamento, tanto na frente quanto por trás das câmeras e eu sinto que nós somos ótimos amigos.

Sobre as cenas que os fãs do livro devem ficar ansiosos?
Apesar da série ser baseada no livro, elas são bem diferentes, em termos de interpretações. Há algumas coisas que são um pouco diferentes. Eu acho que há um relacionamento que o Weeping Monk possui com Squirrel. No livro, há muitos detalhes lindos, que eu acho que eles arrasaram muito na série. A dinâmica entre o Dan Sharman e o Billy Jenkins, que interpretam o Weeping Monk e o Squirrel, tem uma química tão bonita nas telas. Meio que faz você rir e eu também senti muitas coisas por eles. Então se as pessoas leram o livro, eu definitivamente diria para elas ficarem de olho neste relacionamento.



Fonte: Digital Spy

Katherine Langford não estava disponível para filmar a série final de ’13 Reasons Why’ – o que provavelmente é uma surpresa para quem assistiu os episódios.

A personagem dela, Hannah Baker, faz uma aparição final no último episódio de ’13 Reasons Why’ em uma das visões do Clay Jenson (Dylan Minnette), andando em direção a ele no ginásio após a colação.

No entanto, esta cena foi alcançada através de alguns truques visuais, conforme evidenciado pelo fato da Hannah utilizar a mesma roupa utilizada no Baile no episódio cinco da série.

Katherine recentemente disse ao Digital Spy e a outras mídias que ela simplesmente estava muito ocupada com a nova série da Netflix dela, ‘Cursed’, para voltar para uma nova cena de ’13 Reasons Why’

“Eu acho que eu ainda estava filmando ‘Cursed’, então eu não pude voltar e filmar nada,” ela relembrou. “É engraçado porque eu ainda não terminei de ver a terceira e a quarta temporada – mas eu estou assistindo a terceira temporada e depois vou assistir a quarta, agora que o capítulo está finalizado.”

“Eu estou muito orgulhosa de todo mundo do elenco e nós ainda somos muito próximos. De várias formas, eu já sabia o que acontecia e eu simplesmente estou tão orgulhosa deles. Finalizar este capítulo foi uma parte tão especial instilada na vida de todos nós.”

Já que Katherine não filmou exatamente nada novo para o fim de ’13 Reasons Why’, ela estava sequer ciente de que os produtores usariam uma filmagem dela?

“Sim, eu sabia. Eu sabia sim. Sim,” ela nos confirmou.



Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by flaunt
Alguns direitos reservados