Sejam bem-vindos ao KatherineLangford.com.br, a sua primeira fonte de informações brasileira sobre a atriz Katherine Langford, Fique a vontade para desfrutar de todo o conteúdo postado aqui, siga também o KLBR nas redes sociais e fique ainda mais informado. Agradecemos a visita e esperamos que volte sempre! Este é apenas um site feito de fãs para fãs, sem fins lucrativos.

Fonte: Digital Spy

Katherine Langford não estava disponível para filmar a série final de ’13 Reasons Why’ – o que provavelmente é uma surpresa para quem assistiu os episódios.

A personagem dela, Hannah Baker, faz uma aparição final no último episódio de ’13 Reasons Why’ em uma das visões do Clay Jenson (Dylan Minnette), andando em direção a ele no ginásio após a colação.

No entanto, esta cena foi alcançada através de alguns truques visuais, conforme evidenciado pelo fato da Hannah utilizar a mesma roupa utilizada no Baile no episódio cinco da série.

Katherine recentemente disse ao Digital Spy e a outras mídias que ela simplesmente estava muito ocupada com a nova série da Netflix dela, ‘Cursed’, para voltar para uma nova cena de ’13 Reasons Why’

“Eu acho que eu ainda estava filmando ‘Cursed’, então eu não pude voltar e filmar nada,” ela relembrou. “É engraçado porque eu ainda não terminei de ver a terceira e a quarta temporada – mas eu estou assistindo a terceira temporada e depois vou assistir a quarta, agora que o capítulo está finalizado.”

“Eu estou muito orgulhosa de todo mundo do elenco e nós ainda somos muito próximos. De várias formas, eu já sabia o que acontecia e eu simplesmente estou tão orgulhosa deles. Finalizar este capítulo foi uma parte tão especial instilada na vida de todos nós.”

Já que Katherine não filmou exatamente nada novo para o fim de ’13 Reasons Why’, ela estava sequer ciente de que os produtores usariam uma filmagem dela?

“Sim, eu sabia. Eu sabia sim. Sim,” ela nos confirmou.



Fonte: Fashion Magazine

Katherine Langford tem um novo trabalho e enquanto nós não podemos agarrá-la em outro ‘Globo de Ouro’, ele acrescenta o nome dela a uma lista impressionante e elogiada de embaixadores globais, tais como Viola Davis, Céline Dion, Eva Longoria e Helen Mirren.

Hoje, a gigante L’Oréal Paris nomeou a atriz de 24 anos de idade como o novo rosto da marca. A australiana nascida em Perth, é famosa por interpretar Hannah Baker em 2017 na série da Netflix ’13 Reasons Why’, bem como por estrelar no drama adolescende de 2018, ‘Com Amor, Simon’. E mais, Katherine interpreta a protagonista na nova série da Netflix, Cursed (que estreará em Julho), uma adaptação do ilustre romance do artista de quadrinhos legendário, Frank Miller, e do escritor Tom Wheeler.

Celebrando a nova parceria dela com a L’Oréal Paris, nós conversamos com Katherine sobre o anúncio global de beleza e sobre a carreira dela.

Sobre o look diário dela de beleza:
“Quando eu estou trabalhando, eu uso maquiagem durante 16 horas do dia e eu me arrumo completamente para eventos de imprensa. Então, quando eu não estou trabalhando, meu look de todos os dias é um “sem maquiagem” e eu realmente gosto de cuidar da minha pele. Eu sempre uso um bom protetor solar e hidratante. Quando eu saio, eu definitivamente retoco a sobrancelha e talvez um rímel.”

Sobre a equipe de glamour dela para tapetes vermelhos:
“Eu me sinto muito sortuda por ter a oportunidade de trabalhar com algumas das melhores pessoas que tem por aí. A minha equipe é incrível e eu já usei looks incríveis. Eles são verdadeiros gênios. Começa com a minha estilista Molly Dickson e eu trabalho bastante com o cabeleireiro Christian Wood. Ele e eu temos uma combinação de amor com obsessão com a antiga Hollywood, então nós tiramos muita inspiração daí. Foi ele que surgiu com o meu look do Globo de Ouro de 2018, que é um dos meus looks favoritos até hoje.”

Sobre suas maiores inspirações em Hollywood:
“Quando eu comecei a correr atrás da atuação, parte da dificuldade foi não ter crescido na indústria e achar que Hollywood e filmes estavam tão distantes de onde eu morava, em Perth. Eu me inspirava em atrizes australianas como Cate Blanchett, Rose Byrne, Nicole Kidman e Margot Robbie. E no ano passado, eu trabalhei com a Toni Collette em ‘Entre Facas e Segredos’, e eu me senti muito sortuda porque, quanto mais pessoas eu conheço, mais constantemente inspirada eu fico com as histórias das outras pessoas, além do talento e trabalho delas. Kate Winslet também é uma grande inspiração para mim, porque nem sempre eu me senti que eu me encaixaria no molde de Hollywood, mas as pessoas diziam que eu parecia a Kate, o que, de várias formas, me validava como uma jovem atriz. Há muito crédito no impacto que ela teve em outras mulheres, mas também é devido a quão respeitada ela é na indústria e o calibre do talento e do trabalho dela.”

Sobre o impacto de seus trabalhos do passado:
“Estar em ’13 Reasons Why’ e depois em ‘Com Amor, Simon’, ambos os projetos significou muito para mim porque as pessoas diziam que salvou a vida delas. E em termos de retorno, não há muito o que comparar a isto saber que o que você está fazendo está causando impacto.
Há uma história específica que eu lembro do início de ’13 Reasons Why’, em que eu conheci esta garota e ela disse que as pessoas estavam fazendo bullying com ela. Mas quando a série estreou, porque nós somos tão parecidas, as pessoas começaram a dizer que ela era linda. E que assim, isto a fez se sentir bonita e confiante. Isto realmente me marcou porque realmente demonstra o quão importante é a representação, mesmo que seja de uma forma super pequena, tipo ver alguém que parece com você. E ouvir coisas positivas sobre esta pessoa, isto pode mudar a visão que você tem de si mesma e isto é realmente poderoso.
’13 Reasons Why’ foi o meu primeiro papel, meu primeiro trabalho de verdade, e a Hannah Baker foi um papel tão especial de ter tido a oportunidade de interpretar, porque ela representa a história de tantas pessoas. É um personagem que eu sempre vou ter comigo e uma experiência que eu sempre vou ser grata.”

Sobre a nova série da Netflix dela, ‘Cursed’:
“Me enviaram o manuscrito do livro do Tom Wheeler e do Frank Miller e, depois que eu li, eu sabia que isto era algo que eu precisava fazer parte! Estas histórias, especialmente neste gênero específico, raramente explora histórias de mulheres, muito menos as posiciona no epicentro destes contos legendários. Eu sabia que nós tínhamos a oportunidade de contar a história de uma verdadeira heroína e honrar todas as capacidades e dificuldades dela – e estes papéis são difíceis de surgir. Nós estamos vivendo em uma época tão surreal e é importante nos manter focados nos problemas antemão, mas eu espero que a série pode ser uma forma de entretenimento e traga algum tipo de escape e alívio para a realidade que nós atualmente enfrentamos. Nós também abordamos assuntos de opressão e destruição do mundo natural durante a série, então eu acho que vai ser interessante comparar a série ao que está acontecendo atualmente.”

Sobre as palavras que a inspiram:
“Na vida, eu adotei o lema de um amigo, que é ‘Faça o que te faz sentir livre.’ É algo que eu tenho utilizado muito.”



Fonte: Vogue Rússia

Na véspera do aniversário de 24 anos da atriz australiana, Katherine Langford foi nomeada embaixadora da L’Oréal Paris. Até então, por conta de suas mais impressionantes conquistas com papéis – o papel de Hannah Baker na série da Netflix ’13 Reasons Why’. Mas muito em breve, em 17 de julho, ‘Cursed’ será lançada na mesma plataforma, onde Katherine desempenha o papel principal. Conversamos pessoalmente com Katherine sobre as filmagens, que duraram um ano, vespas irritantes e cosméticos favoritos.

Conte-nos sobre sua heroína em ‘Cursed’.
‘Cursed’ é uma reimaginação de uma das lendas arturianas, de uma jovem garota chamada Nimue, cujo destino é se tornar a mística Senhora do Lago. Este projeto foi muito diferente de todos os anteriores – não apenas porque pertence ao gênero fantasia, mas também porque demoramos muito para finalizar e aprendi muitas coisas. Por exemplo, como andar a cavalo, a lutar com espadas, executar diversas acrobacias e falar o dialeto. Mas, como ex-atleta, eu gostei muito do fato de a preparação para o papel envolver algum tipo de atividade física – então fiquei feliz.
Nós nos preparamos para as filmagens durante três semanas, e então o trabalho duro começou – na neve, em florestas densas, na chuva torrencial, com água até a cintura no meio da noite. Um dos dias mais memoráveis ​​das filmagens talvez tenha sido o dia mais quente da história do Reino Unido – a temperatura sob o sol era de 45 graus. Toda a equipe nos bastidores estava vestindo camisetas e shorts, enquanto os atores que gravavam usavam mantos vermelhos e armaduras. Naquele dia, eu estava andando a cavalo com três camadas de roupas de couro, todas cobertas de lama e sangue falso (na verdade, geléia). Também vale a pena destacar que no verão no Reino Unido há muitas vespas, então elas constantemente pousavam na geléia e no xarope e grudavam em mim. Foi um dia quente e difícil, mas tudo funcionou perfeitamente e o resultado foi excelente.

Você sai facilmente do papel quando as filmagens terminam?
Eu acho que cada personagem tem um efeito diferente sobre o ator. E, é claro, quanto mais tempo a filmagem demora, mais você se acostuma com o papel. Filmamos ‘Cursed’ por quase um ano, então por um longo tempo eu mergulhei na imagem da minha heroína. Ela definitivamente me ensinou a ser corajosa e confiar em mim mesma – o que espero continuar fazendo na vida cotidiana.

Qual é o seu principal objetivo agora?
Sou bem jovem ainda e, no que tange à carreira, entendo que ainda tenho muito o que aprender. Acho que agora é a hora de aprender a se amar – e cuidar de si ajuda muito. Neste sentido, a quarentena foi benéfica – tive muito tempo para finalmente experimentar todos os cosméticos que estavam me esperando.

Quando você foi reconhecida pela primeira vez?
Durante as filmagens de ‘Com Amor, Simon’ e, embora eu permanecesse a mesma Katherine por dentro, parecia que as pessoas começaram a me tratar de uma maneira diferente.

Qual é a sua primeira memória com maquiagem?
No meu sexto aniversário alguém da minha família me deu um conjunto de cosméticos e eu imediatamente decidi fazer meus lábios – no entanto, eu passei na minha boca o esmalte roxo de lantejoulas.

Como começou a colaboração com a L’Oréal Paris?
Há alguns anos, tive uma reunião com a empresa – muitas pessoas se reuniram na sala de reuniões e me sentei na frente delas sem maquiagem. Eu era apenas eu mesma e, para minha surpresa, todos da L’Oréal gostaram disto. Além disso, a minha relação com a empresa se desenvolveu de maneira muito natural.

Quem é a musa da L’Oréal Paris para você?
A empresa tem um maravilhoso grupo de embaixadoras – todos elas são muito diferentes, por isso é difícil escolher uma. Como atriz, tenho o prazer de ver colegas da ‘família L’Oréal’ que são conhecidos não apenas por sua carreira maravilhosa, mas também por outras conquistas. Por exemplo, Jane Fonda – ela está combatendo a crise climática através da iniciativa Fire Drill Sextays. Também acho que nem sempre reconhecemos a beleza da “idade”, e Jane é muito inspiradora neste sentido.

Quais são os três melhores cosméticos que você usou recentemente?
Eu já tinha o soro ‘SkinCeuticals CE Ferulic’ há bastante tempo, mas comecei a usá-lo agora. Além disso, eu acabei de descobrir o soro hialurônico 1,5% da L’Oréal Paris – ele hidrata a pele. Em relação à maquiagem, Val Garland (diretor internacional de maquiagem da L’Oréal Paris) me deu conselhos legais sobre como usar um mesmo produto para diversas coisas. Por exemplo, você pode aplicar um pouco de batom ou blush em vez de sombra nos olhos. O resultado é uma maquiagem monocromática, o que é conveniente para qualquer lugar – você não precisa gastar muito dinheiro para repeti-lo a qualquer momento.



Fonte: PopSugar

Se você é fã de ’13 Reasons Why’, ‘Entre Facas e Segredos’, ou comédias românticas adolescentes como ‘Com Amor, Simon’, então você provavelmente é familiarizado com o nome Katherine Langford. Quando ela estrelou como Hannah Baker no drama da Netflix em 2017, ’13 Reasons Why’, Katherine imediatamente cimentou o seu lugar na indústria do entertenimento e ela não desacelerou desde então.

Agora, ela está saindo da caixa de Hannah Baker e assumindo um novo desafio – na nova série de fantasia da Netflix, ‘Cursed’. Baseada na lenda arturiana, Katherine interpreta Nimue, uma adolescente com um dom misterioso e mágico, que está destinada a se tornar a Senhora do Lago. A série começa quando os paladins vermelhos invadiram a vila dela, matando todo mundo que ela conhece, inclusive sua mãe. Mas antes de sua mãe morrer, ela encarrega Nimue a entregar uma espada antiga para Merlin e no caminho, ela conhece um jovem mercenário, Arthur (Devon Terrell). Nem precisa dizer que isto é apenas o começo de uma aventura bem espetacular e heróica.

Quando eu me sentei com a Katherine em 2019, no set de ‘Cursed’ em Londres, sua confiança quieta e sua paixão pela personagem, Nimue, facilitou para que eu enxergasse o porque de ela ter sido escolhida para o papel. Os criadores Tom Wheeler (Puss In Boots e Empire) e Frank Miller (Sin City) explicou que ela se inscreveu cedo e, mesmo eles sabendo que ela tinha “ótimas habilidades de atuação”, eles não tinham percebido que ela era tão foda até ela entrar completamente no personagem da Nimue. “Toda vez que nós a vemos, ela está coberta de sangue,” Tom Wheeler contou para a PopSugar. “Nós a jogamos na lama por três dias neste pântano infestado de mosquitos e sanguessugas para matar todos os vilãos e ela ainda era tão educada. É simplesmente ótimo sentir, mesmo no início, que ela casa perfeitamente com o mundo do Frank Miller – ela se encaixa bem com esta coleção de personagens como mulheres poderosas.”

O que você pode nos dizer sobre a Nimue e como ela se encaixa na história de ‘Cursed’?
Nimue tem uma jornada bastante épica. Por um lado, ela está passando por esta jornada de uma grande perda pessoal, de um crescimento pessoal, e por outro, também há o grande desafio de superar a adversidade. Uma das melhores coisas que eu percebi através da Nimue é, para mim, nesta série e na história, que ela representa coragem. Ela é uma farol de esperança e também uma heroína interessante, ambos neste mundo da lenda arturiana, mas também, atualmente é uma grande oportunidade e é interessante ver a jornada de uma heroína ao invés de ver a jornada de um herói – e como se diferem e como se assemelham, além dos desafios que ela enfrenta.

O quão familiarizada você era com a Nimue antes e quando você recebeu o roteiro pela primeira vez?
É engraçado, eu sempre fui meio que uma amante secreta de fantasia e ficção científica e também do Frank Miller. Então quando eu li o manuscrito inicialmente do Tom Wheeler, foi algo que me atraiu simplesmente como leitora – era bastante único. Único no sentido de que foi escrito e também através da visão que é onde esta história está sendo contada, porque você já ouviu esta história 100 vezes, essas lendas arturianas com elementos diferentes de conto (cada vez). Mas as personagens femininas e os papéis nestas lendas arturianas são frequentemente ofuscados ou sequer são mencionados. Então, quando eu fui dar uma olhada na Nimue, eu ouvi sobre a Senhora do Lago e pareceu ser uma linda obra de arte da Senhora do Lago, mas a personagem em si mesma, eu sabia pouco sobre. Não havia muita informação sobre ela por aí.

Como você acha que o fato de ser contada por uma perspectiva feminina ao invés de uma masculina, que tradicionalmente tem sido contado, realça a história?
Essa é uma pergunta muito boa. Eu acho que foi uma das primeiras conversas que eu tive com a Zetna Fuentes, que é produtora executiva, e também dirige os dois primeiros episódios (ela já dirigiu episódios de Grey’s Anatomy e Pretty Little Liars). Nós tivemos uma conversa sobre a Nimue como pessoa, mas também no papel como heroína. Essas histórias de herói geralmente são contadas da perspectiva masculina – ou de um ponto de vista de um garoto ou de um homem. O que foi interessante foi construir esta história e olhar para ela como uma mulher que está sendo retratada como uma heroína. O que a faz moderna e aplicável à atualidade é que você verá desafios que ela especificamente encara como mulher. Ao invés de simplesmente inserir uma mulher em uma história de herói. Nós perguntamos a nós mesmas “Qual a jornada pessoal dela? Quais são as dificuldades que ela enfrenta? Quais são as coisas que derrubam ela? Quais são as coisas que ela pode usar?”
Uma das coisas que nós recentemente estamos gravando é a ideia de que como mulher e como garota, você cresce nunca acreditando ou nunca pensando que você pode estar em uma posição de poder. Você nunca pensa que você pode ser um rei. Então, quando a Nimue recebe primeiramente a espada, isso não passa pela cabeça dela. Uma coisa interessante – e eu acho que isso é graças ao Tom Wheeler – é que nesta série, todos os homens buscam poder, mas frequentemente quando é dado a eles, eles destroem ou usam de forma errada. Enquanto todas as mulheres da série, elas não buscam poder, mas mesmo assim é dado à elas aquele poder e aquela responsabilidade. Eu acho que é porque elas não buscam isto, elas chegam ao poder porque elas são líderes naturais e possuem intenções puras.

Nós vimos as fotos de você segurando a espada como Nimue. Como foi interpretar esta personagem sob uma nova luz e então finalmente vê-la segurar a espada?
Foi muito bom. Eu estou feliz por você ter perguntado isto, porque foi interessante. Eu cresci assistindo pessoas como Angelina Jolie em Tomb Raider, Jennifer Lawrence em ‘Jogos Vorazes’, e estes tipos de modelo e personagens são tão inspiradores para mim. Ter a oportunidade de ver este gênero (e esta história em particular) sendo contada através dos olhos de alguém que eu realmente consigo me identificar, ou que outras mulheres e garotas possam se identificar, é realmente especial.
Eu cheguei três semanas antes de nós começarmos as filmagens e aprendi a andar a cavalo e a lutar com espada. E quando nós estávamos escolhendo a espada, eles estavam me entregando espadas diferentes para ver se elas iriam combinar. Eles diziam “esta é a do Russel Crowe em Gladiador”, “esta é a do Timothée Chalamet (de ‘O Rei’)”, “esta é a do Chris Pine (de ‘Legítimo Rei’), então ter a oportunidade de ter uma espada e ficar tipo “esta é a da Katherine Langford” – é tipo, aqui estão todos esses atores incríveis que interpretaram esses personagens incrivelmente poderosos, e ter a oportunidade de segurar uma espada e saber de que agora há uma mulher que está no mesmo universo, que agora há uma presença feminina neste mundo, que as pessoas poderão assistir, é bem inspirador, significa muito para mim.

Nós tivemos a impressão, ao conversamos com o Frank e com o Tom, de que você está coberta de sangue e lama durante grande parte da série. Você está em pântanos, coberta de videiras e empunhando uma espada. Parece que o processo de filmagem da Nimue foi bastante físico, bem como emocionante.
Esta é a primeira vez que eu gravo alguma coisa de época ou da Era Medieval. Então, também é o primeiro papel que eu tive que requisitou alguns componentes físicos: acrobacias, andar a cavalo, lutar com espadas, correr em meio à coisas enquanto estão pegando fogo. Tem sido bastante desafiador, mas também muito empolgante. Isto foi algo que eu conversei com o Frank e com o Tom antes da série começar. Nós temos uma equipe de acrobacias incrível com o Steve Dent – eles simplesmente fazem um trabalho incrível – mas eu realmente quis me certificar que, com a melhor da minha habilidade, eu conseguisse fazer tudo que fosse pedido para a Nimue fazer.

Há alguma parte da Nimue que você conseguiu se identificar pessoalmente ou que você acredita que outras jovens mulheres irão se identificar?
Resposta curta: sim. Eu acho que a parte incrível sobre a Nimue é que você está falando sobre super heróis, modelos e heroínas, e as pessoas em filmes de ação – mas no fim do dia, para mim, a coisa mais maravilhosa nela é o fato de que ela é também muito humana. Eu estou falando isto sem tentar ser clichê, mas a Nimue supera tantas dificuldades, enquanto ainda tem um coração e sem ser um super humano. Ela é igual a qualquer um de nós tendo que lidar com tanta perda pessoal no começo da série, mas depois literalmente carregando o peso do mundo nos ombros dela até chegar no final.
No começo, o que você vê é uma garota que aparenta estar inquieta. Eu me identifico com isto. Eu me mudei 39 vezes no ano passado e eu meio que tenho vivido na estrada por três anos. Ela também não sabe exatamente a onde pertence. Parece que há algo que ela não encontrou ainda – mas ela sabe que está ali, ela está buscando isto. Na essência, a série é definitivamente uma jornada que eu acho que muitos de nós podemos nos identificar e eu gostaria de dizer que eu sou tão corajosa quanto ela, mas interpreta-la me fez ser um pouco mais corajosa e assertiva.

Nos foi dito que muitos dos temas de ‘Cursed’ são relevantes para 2020, seja sobre o sistema político ou assuntos climáticos. Você pode falar sobre algumas das mensagens que são passadas por ‘Cursed’ e como você interpretou o mundo real de uma forma diferente por causa disto?
O que é legal em ‘Cursed’ é que você tem aquela mistura de fantasia e tem sim elementos etéreos, mas também é fundado na humanidade, que é o que a torna aplicável e relacionável para o público atual.
Muitos dos problemas e dificuldades que os personagens enfrentam nesta série, tipo, opressões religiosas, opressão da minoria, causar estragos no meio-ambiente, são coisas que nós podemos nos identificar. Ter a oportunidade de assistir isto durante ‘Cursed’, você meio que percebe que eles estão lidando com coisas muito parecidas com a que nós estamos atualmente. Eu acho que isto talvez é o que vai ressoar com o público. Sim, esta é uma história velha, sim talvez seja fantasia, mas também é fundada na humanidade, então ainda aparenta humana, atual e relevante.



Fonte: InStyle

A atriz australiana Katherine Langford acabou de conseguir o seu primeiro papel protagonista na indústria da beleza. A L’Oréal Paris acabou de anunciar que a estrela de ’13 Reasons Why’ é a nova porta-voz internacional da marca.

A parceria de Katherine com a marca farmacêutica icônica a coloca em boa companhia. Algumas das estrelas da L’Oréal inclui Viola Davis, Helen Mirren, Camila Cabello, Eva Longoria e Cindy Bruna.

“L’Oréal Paris é a marca que cria o que está por vir na beleza com uma mensagem essencial: todo mundo vale à pena. Tudo gira em torno de como amar a si mesma, como ser ousada, como ser confiante!” Katherine disse em uma mensagem via e-mail. “As pessoas da minha idade não deveriam ter medo de ser elas mesmas, porque é isso que nos torna bonitas. Quando você sabe que vale à pena, você vive sua vida da melhor forma. Sempre valorizando o emponderamente, eu posso dizer que eu sou muito grata por fazer parte de um grupo de mulheres tão inspiradoras.”



Fonte: Allure

Enquanto Katherine Langford desliza entre diferentes papéis, como Hannah Baker de ’13 Reasons Why’, Meg Thrombey de ‘Entre Facas e Segredos’ e Nimue da próxima série da Netflix, ‘Cursed’, o cabelo e a maquiagem a ajudam a incorporarar cada personagem. Até mesmo em tapetes vermelhos, Katherine aparece com estéticas diferentes com uma sobra escura e ousada, diversos cristais e linhas gráficas. Por causa disto, a atriz de 24 anos de Perth, Austrália, descreve seu visual de três formas: em constante mudança, libertador e transformador.

No entanto, quando ela olha no espelho com dois visuais específicos, Katherine se sente mais como si mesma. O primeiro é quando ela está sem maquiagem e foca em sua rotina de skin-care. O outro é o que ela chama de “look chique”, que é completo com um delineador de gatinho e um batom matte de cor nude neutra ou em um vermelho poderoso.

“Maquiagem é esta ferramenta em que você pode realmente instilar confiança, mas também estar cuidando de si mesma,” Katherine diz para a Allure. “É uma coisa muito íntima. Você consegue encontrar essas partes inexploradas de si mesma fazendo sua própria maquiagem. Eu descobri que, eu acho que praticamente de forma consistente, quando eu me sinto de certa forma criativa, eu faço o mesmo look. Muitas das vezes, este look incorpora um delieador de gatinho.”

Katherine também releva que ela tem mantido um segredo há um “bom tempo”: ela é a nova porta-voz internacional da L’Oréal Paris. Para celebrar o novo trabalho, ela compartilhou o que a icônica marca significa para ela e falou um pouco sobre a sua rotina de beleza para a Allure.

L’Oréal Paris é uma marca que tem feito parte da vida das pessoas há tanto tempo. Qual a sua memória mais antiga da marca?
L’Oréal como uma marca e o slogan “Você vale à pena” tem estado subconscientemente arraigados em todos nós. Então, de várias formas, eu sinto que eu cresci com a L’Oréal.

Pensando em atualmente, você tem alguma obsessão em produto de beleza atualmente?
Eu tenho me focado muito em skin care. Como atriz, eu uso maquiagem na maior parte do tempo, então quando eu tenho dias de folga, é bom simplesmente focar em skin care. Uma coisa que eu acho que eu realmente amo é o ‘Revitalift Derm Intensives Hyaluronic Acid Serum‘ da L’Oréal Paris. Eu realmente amo incorporá-lo na minha rotina de skin care para hidratação.

Que tipo de pele você tem?
Eu acho que varia. Quando eu era mais nova, na verdade eu lidava com acne crônica e eu viajo muito. Às vezes ela fica seca ou sensível. Como um princípio básico, eu sempre tento usar produtos que são gentis com a pele. Especialmente porque eu viajo, eu foco em devolver para a minha pele, seja em hidratação ou algum tipo de cuidado extra.

Há algum produto de beleza que você está constantemente comprando?
Eu acho que é importante sempre ter um bom hidratante. Quando eu não estou trabalhando, eu geralmente não uso maquiagem ou, se eu uso, é bem pouca. Mas uma coisa que eu acho que sempre faz falta é um rímel. É um produto essencial que eu sempre tenho comigo e algo que eu sempre compro.

Quando você faz a sua maquiagem, há alguma habilidade que você particularmente se orgulha?
Uma das formas que eu sinto que eu quero usar maquiagem tem sido principalmente para ser expressiva. Para mim, uma cor de batom ousada é sempre divertida de usar, bem como uma boa maquiagem nos olhos. Eu realmente amo o delineado de gatinho, mas é algo que você realmente precisa treinar.

Há alguma dica que você aprendeu enquanto estava na cadeira de maquiagem que você gosta de usar ou falar para as outras pessoas?
Um truque que eu aprendi, na verdade de Val Garland, se você está usando um batom que meio que parece um pouco com seus lábios, você pode usar esta cor como parte do seu blush, ou você pode usá-lo como parte da sombra dos seus olhos e isto amarra tudo de uma forma bem agradável.

Você já experimentou tantos looks de beleza divertidos durante os anos. Há algum que você gostaria de tentar no futuro?
Uma das partes mais agradáveis deste trabalho (além de atuar) é ter a oportunidade de trabalhar com maquiadores e cabeleireiros incríveis. Eu tenho muita sorte de ter a equipe que eu tenho. Nós surgimos com looks diferentes e ter a oportunidade de ter esta experiência e de colaborar com pessoas que são tão criativas e ótimas no que elas fazem é, definitivamente, muito divertido. Eu sou muito aberta com este tipo de processo. Eu nunca digo não para uma ideia.

A sua rotina de beleza mudou ao decorrer destes anos?
Isto definitivamente me deu tempo de explorar coisas divertidas – ou simplesmente explorar produtos diferentes, o que eu geralmente não faria se eu estivesse na correria ou trabalhando. Também, uma rotina de beleza, é em parte estética e criativa, mas também é uma ótima forma de amor próprio e de cuidar de si mesma e definitivamente, estas coisas são realmente importantes. Tem sido bom saciar isto.

Quando você pensa em cuidado próprio, há alguma definição certa na sua mente?
Eu acho que cuidado próprio toma tantas formas diferentes. Eu costumava achar que um grande gesto de beleza ou uma extravagança da beleza era cuidado próprio, mas eu não cresci exatamente com isto. Nestes últimos anos, eu realmente reconheci isto mais como amor próprio. Quando eu estou trabalhando em coisas que realmente são cansativas, eu faço uma massagem de vez em quando. Mas enquanto eu estou em casa, eu também uso máscaras e hidratante e tomo um cuidado extra com a minha pele.

Quantos passos tem a sua rotina de skin care?
Sinceramente eu não sei. Isto é algo que eu ainda estou aprendendo e é algo que muda – não todos os dias, depende do que você precisa. Também, durante os estágios da vida, eu acho que você vai querer focar em algo diferente.
Eu realmente odeio o termo “rejuvenescedor”. Eu já li isto em algumas coisas. Eu acho que é tão digno, especialmente para uma mulher, ter a oportunidade de envelhecer. Eu realmente não gosto do termo “rejuvenescedor”. Eu acho que se serve de algo, é mais em relação ao cuidado e à restauração.
Eu definitivamente lavo o meu rosto e uso protetor solar. E, se você é australiano, eu acho que todo australiano sabe a importância do protetor solar desde que nasce.



Fonte: Hardware Zone

Das mentes do autor Tom Wheeler e do escritor/artista Frank Miller surgiu Cursed, a reimaginação da Netflix da super popular lenda arturiana. Ao invés de ser outra história original do Rei Arthor, esta fantasia/drama mergulha na história de Nimue – a jovem mulher que mais tarde se tornaria a Senhora do Lago.

Nimue se encontra pareada com Arthur, um mercenário humilde em uma missão de entregar uma espada antiga para Merlin – sim, o que você conhece. Na jornada dela, ela terá que lidar com o bárbaro Red Paladins e seu cúmplice Rei Uther, enquanto tenta lidar com seus próprios poderes mágicos. Katherine Langford e Gustaf Skarsgård interpretam Nimue e Merlin respectivamente, com Devon Terrell (Barry) e Daniel Sharman (Teen Wolf) interpretam Arthur e o misterioso Weeping Monk.

Recentemente, eu tive a oportunidade de me sentar com os membros da mídia e entrevistar este maravilhoso elenco de atores. O que os atraiu para interpretar estes personagens icônicos sob uma ótica diferente? Qual episódio de Cursed é o favorito deles? Por que a season finale foi um episódio tão memorável de se filmar? Leia tuda e descubra!

O que te atraiu na personagem de Nimue/a legendária Senhora do Lago?
Eu sou um pouco amante de história. Eu amo história e eu amo aprender, mas eu também amo o gênero fantasia e as lendas arturianas são provavelmente os contos mais famosos que nós temos. O que eu acho que é realmente interessante é que quando você pensa nessas lendas, você pensa no Arthur, Merlin e nos Cavalheiros da Mesa Redonda – mas você nunca mergulha de fato em uma personagem feminina neste conto épico. Então ter a oportunidade de entrar de cabeça na Senhora do Lago e a história dela foi algo que realmente me interessou porque ela é uma das personagens mais produtivas e ainda assim há poucas informações sobre ela.

O que você pensou inicialmente do roteiro e por que você decidiu entrar para o elenco?
Eu li o roteiro como um manuscrito há dois anos e foi realmente uma época interessante porque eu sabia que eu estava procurando por algo que realmente fosse especial e diferente. Eu não estava neccessariamente procurando algo que estivesse na TV, mas quando eu li o roteiro do Tom Wheeler e do Frank Miller, eu simplesmente soube que isto era algo que eu amaria fazer parte. Não apenas faz parte deste conto lendário, mas também está contando a história através de uma nova visão completamente diferente. Como jovem mulher, ter a oportunidade de contar a história de uma heroína e reconhecer todos os obstáculos específicos de ser uma mulher – estes papéis não surgem com muita frequência, eu me sinto honrada por fazer parte disto.

Como o seu papel em ‘Cursed’ é diferente de tudo que você já fez?
Este gênero é algo que eu nunca fiz antes e eu pude ver que seria um desafio incrível. Não apenas era um gênero diferente em uma escala totalmente diferente, mas ele exigia certas habilidades. Aprender a andar a cavalo, a lutar com espadas e um dialeto em um curto período de tempo e ter que manter isto durante as gravações definitivamente foi um desafio novo para mim. O que parece ser diferente para mim com a Nimue em termos de personagem que eu já interpretei é a jornada dela na série. Quando nós a vemos pela primeira vez, ela está muito inquieta e insegusobre onde ela pertence. Durante a série, você vê ela se aceitando, inclusive seus poderes e se transformar em uma mulher. Esta é uma história que eu nunca vi antes.

Qual foi o seu local favorito de gravações?
Gustaf, eu acho que você gravou em uns castelos bem bonitos.
(…)
Nós gravamos em alguns dos lugares mais incríveis. Nós filmamos em uma abadia que estava perto de ter mil anos de idade e foi saudada. Nós gravamos lá por uma semana e foi incrível estar naqueles prédios, além de toda aquela história e estar em lugares que as a maioria das pessoas sequer podem entrar. Como Nimue, nós gravamos em florestas e ter a oportunidade de estar lá fora, na natureza, no País de Gales… Foi muito especial.

Se você tivesse que escolher um, qual episódio da série seria o seu favorito?
Gustaf: Bom, o meu favorito do Merlin é o episódio seis – mas isso é apenas porque eu participo muito dele. Para o Merlin, é o momento mais importante. Nós aprendemos muito sobre ele e sobre o passado dele e o relacionamento entre ele e a Nimue é aprofundado. Eu também gosto muito do último episódio – foi bem climático, com muitos precipícios.
Katherine: Eu amo o episódio seis por este motivo também. No meio de todas as temporadas, sempre há um episódio que simplesmente cava mais fundo e regula o tom. O episódio seis é muito poderoso neste sentido. Você recebe muitas informações e muitos dos insights. O episódio dez também, é muito emocionante e poderoso – juntamente com o primeiro episódio porque foi o primeiro que nós gravamos. Tem vários episódios durante a temporada.

Como foi a experiência de vocês trabalhando um com o outro?
Gustaf: Foi ótima. Eu conheci a Katherine durante a audição para a leitura de química, porque ela já tinha sido escolhida. Ela é tão talentosa, presente e brincalhona. Eu fiquei muito impressionado com ela e isto me fez querer ainda mais o papel, para ter muito trabalho com ela. Nós nos divertimos muito e nós desencadeávamos um ao outro emocionalmente bem facilmente. Há uma conexão forte ali pela qual eu sou muito grata – tanto na frente das câmeras quanto por trás. Nós somos muito amigos.
Katherine: Digo o mesmo. Eu assisti Vikings e istoé algo que faz com que o Gustaf tenha uma presença tão incrível. A beleza de ter a oportunidade de trabalhar com ele é que ele simplesmente se transforma. Há algo tão inteligente, sútil e assistível nele e eu sinto como se nós tivéssemos aprendido muito. Nós também nos divertimos muito, e foi muito bom ter a oportunidade de ir trabalhar e estar nesta energia e não simplesmente assistir alguém que é incrível no que faz, mas incrível de se estar a volta e generoso com o seu tempo e pensamentos.

O que você diria que é o coração desta série?
Esta é uma ótima pergunta – porque me faz pensar coisas diferentes, sabe? Há tantas jornadas diferentes. Há muita força no caminho da coragem e um caminho para todo mundo se tornar mais forte e mais definitivo e versões poderosas de si mesmos. Os relacionamentos também. Eu não posso falar muito sobre isto, mas eles amarraram tudo muito bem e demonstram vulnerabilidade ao mesmo tempo. Assistir essas tensões crescerem durante a temporada meio que parte o seu coração, mas também faz você torcer por essas pessoas. Conexão, mesmo nos momentos mais surreais, bizarros e difíceis. O que mais importa é um para o outro e as pessoas que você ama.

Qual foi o momento mais memorável durante as filmagens?
Katherine Langford quase estraga uma cena da série, mas se interrompe: Nós gravamos esta cena em particular, que envolve vários outros personagens. Na verdade eu me senti muito mail, porque eu estava muito muito doente. Eu estava muito doente, gravando esta cena muito intensa e maravilhosa, mas eu acho que quando eu assisti… Desculpa, eu acho que eu não posso contar isto. Gustaf, por favor, fala alguma coisa! Você sabe do que eu estou falando.
Gustaf: Eu sei do que você está falando – deixe-me ver se eu consigo te ajudar a não revelar nada. Foi o clímax do episódio dez. Nós passamos muitos dias filmando isto e tentando acertar. Foi muito significativo para todos nós, para os arcos dos nossos personagens e para a temporada. Muitas coisas fazem sentido a partir daí e foi a primeira vez que eu estava atuando com alguns dos outros colegas de elenco que eu não tive a oportunidade de conhecer antes. Foi um período bem especial, quando nós tivemos a oportunidade de gravar o clímax da série. Isso resume o que você está tentando dizer, Katherine?
Katherine: Sim, bem dito. Foi muito bem explicado!



Como fazer as pessoas esquecerem a Hannah Baker, a protagonista de ’13 Reasons Why’, uma das séries mais assistidas, controversas e comentadas nos últimos anos? Para iniciantes, com uma transição bem estabelecida para o cinema, por exemplo, em um brilhante elenco cheio de estrelas como em ‘Entre Facas e Segredos’. Mas, acima de tudo, com uma nova heroína em série, em contraposição ao ensino médio cheio de bullying e suicídio em ’13 Reasons Why’.

Katherine Langford, 24 anos, da Austrália, freqüentou uma escola para crianças prodígios, a Perth Modern School, era uma campeã de natação e aprendeu a tocar piano sozinha aos 16 anos de idade, após um concerto de Lady Gaga. A tenacidade e a disciplina que ensina o espírito competitivo a moldam para a vida toda. E também os músculos. Katherine tem os ombros de uma nadadora, um físico atlético, certamente não tão esbelto quanto aos padrões de Hollywood. Ela prometeu que seus 16 milhões de seguidores eram verdadeiros, que ela ganhou até então. À partir do dia 17 de julho, ela estará na Netflix como protagonista da nova série de ação e fantasia ‘Cursed’, adaptada do romance gráfico de Tom Wheeler, ilustrada por Frank Miller (autores do programa). A série é uma reinterpretação, de um viés feminino, da lenda do rei Arthur, com toques de Game of Thrones e Harry Potter. A protagonista é Nimue, uma espécie de fada – bruxa de sangue de lobo para inimigos – com poderes que vêm do mundo natural. É a Senhora do Lago do ciclo arturiano que tem a missão de entregar a espada Excalibur a Merlin, aqui, um bêbado oportunista interpretado por um dos irmãos Skarsgard (não é Alexander, nem Bill, aqui é o Gustaf para vocês, mas quantos existem?), dentre diversas dificuldades e com a ajuda de Arthur, na série, um atraente mercenário de pele escura que criará alguns problemas para ela.

Por que esta lenda ainda fascina as pessoas?
Porque o coração da história é encontrar coragem e combater a injustiça, o que é uma jornada que todos nós temos, mais cedo ou mais tarde.

Há alguma mulher contemporânea que te lembra a Nimue?
Acho que a Jennifer Lawrence em ‘Jogos Vorazes’. O extraordinário aqui é ter colocado uma figura feminina no centro de uma história lendária. Aprendi a andar a cavalo e a lutar com espadas, mas gosto de pensar que qualquer garota com ambição e talento pode se identificar e se tornar a heroína de sua história pessoal.

O que as mulheres poderosas, que você admira, têm em comum? Como por exemplo Lady Gaga e Selena Gomez, produtora ’13 Reasons Why’.
Difícil dizer, ainda sou jovem e inexperiente, tenho muito a aprender sobre mim e muito a aprender no trabalho, mas talvez o que eu mais goste e que me impressione seja compartilhar a experiência de ser mulher atualmente em uma indústrias que já teve diversas discussões sobre este assunto. Os laços que surgem desta experiência são lindos. Hoje, mesmo que apenas em comparação com dois anos atrás, há uma maior conscientização e, de uma pequena forma, é bom poder influenciar os modelos que marcarão o imaginário das mulheres de amanhã.

No Instagram, você chama as mulheres de “irmãs”, você diria que cresceu em uma família feminista?
Eu diria que sim. Ambos meus pais são médicos, com duas carreiras felizes. Minha mãe é pediatra e meu pai é um flying doctor (opera em ambulâncias aéreas). Eles são grandes inspirações e não apenas por causa da ética de trabalho deles, eles me ensinaram a valorizar as minhas habilidades, me criaram fazendo com que eu acreditasse que eu poderia alcançar qualquer objetivo com as minhas qualidades. O gênero nunca foi relevante, então nunca pensei que pudesse ser um limite.

Um dos assuntos abordados em ‘Cursed’ é sobre como o homem usurpou e devastou a natureza.
Não é uma novidade, isto já é pauta de conversas há muitos anos, mas só agora estamos realmente começando a ver seus efeitos catastróficos. Penso nos incêndios que destruíram minha Austrália em janeiro. Eu venho de uma pequena cidade chamada Perth e é o lugar mais incrível do mundo para crescer, existem praias e bosques maravilhosos. Nimue retira sua força e seus poderes da natureza e ninguém pode entender melhor do que eu.

Ela é um ícone para muitas crianças: Você sente uma responsabilidade?
Tenho uma base extraordinária de seguidores no Instagram, eu realmente me preocupo com eles e, mesmo que não os conheça um por um, quero usar a plataforma de maneira positiva, pois eu gostaria que fosse um lugar seguro para refletir sobre tópicos importantes.

Um dos temas sensíveis é o relacionamento com o corpo.
Algumas atrizes confessaram ter sofrido uma forte pressão para perderem peso. Isso já aconteceu com você?
Eu trabalho em uma indústria focada em aparências, a pressão está lá: cada parte do meu corpo acaba sob uma lupa. Mas sabe o que eu acho? Eu cresci em um ambiente saudável. No final, sou o que sou e há pessoas que apreciam isso. As meninas às vezes têm medo de falar isto, então às vezes alguém supera a vergonha, olha para mim e diz: “Você é como eu!”, agradavelmente surpreso, praticamente emocionado. Não tenha medo, é o melhor elogio que você pode me fazer. Em Hollywood é – ou parece – tudo tão glamuroso, espero poder continuar sendo verdadeira.

O que te ajuda a se sentir bem?
Durante muitos anos, antes de ser atriz, eu estava tão motivada e determinada a continuar sem parar … Então, quando comecei a viajar para o trabalho, entendi a importância da consistência: minha nova agenda precisava ser reconciliada com lealdade ao meu mundo. Então prometi a mim mesmo que nunca adiaria uma vídeo chamada com os amigos, em qualquer continente em que estivesse. É importante se sentir em casa. Os livros também me ajudam a me sentir bem. E a musica Eu sempre viajo com um teclado e componho músicas.

Há algum momento comparável a antes de tudo começar?
Bela imagem… A natação me treinou para me concentrar, para praticar e repetir uma coisa indefinidamente até você melhorar. Aos 13 anos, acordava às 4:00 da manhã para nadar antes de ir para a escola. Somente o momento antes de um show ao vivo é comparável a isso. Nos esportes, você treina todos os dias para uma corrida de 10 minutos. No palco, as pessoas julgam você naqueles 4, 5 minutos. É o que o torna assustador e especial.

A primeira coisa que você faz quando volta para casa?
Eu vou para o meu quarto e deito na cama, eu sinto muita falta da minha cama… Então fico com os meus pais e meus gatos e depois mando uma mensagem para meus amigos: “Estou de volta”.
No fim, eles falam “Cuide-se”, o que atualmente é uma frase muito significativa.

Confira os cans da revista em nossa galeria.



Fonte: W Magazine

A atriz Katherine Langford esteve em Nova Iorque na quarta-feira a noite, tirando fotos e vídeos de roupas no interior da loja da Fendi na Madison Avenue. Ela refazia qualquer filmagem que não fosse de seu agrado, sentindo o material em um par de calças antes de ir para um casaco coberto pela estampa “F” da marca. “Eu sou relativamente nova na família Fendi,” ela explicou. “Mas hoje é mais do que especial.”

Ela esteve lá para uma festa celebrando a primeira coleção de larga escala unissex de Silvia Fendi, “Solar Dream” (…) Aqui, ela discute os livros de suas prateleiras – incluindo o que talvez dê uma dica de seu próximo projeto – a última coisa que ela faz antes de dormir e como ela acompanha as novidades políticas nos Estados Unidos, Austrália e Reino Unido.

Eu vi que você conheceu Bernie Sanders. Quais foram as circunstâncias disto?
Na verdade eu estava fazendo o ‘The Tonight Show With Jimmy Fallon’ antes de ‘Entre Facas e Segredos’ estreiar aqui em Nova Iorque e o Bernie era o convidado antes de mim. Então antes de eu ir para o palco – eu estava meio que sendo açoitada no palco – eu queria conhecê-lo e ele foi super legal e nós tivemos um segundo de interação antes de eu ir para o palco.

O que vocês disseram um para o outro?
Nós apenas dissemos “Oi, eu realmente admiro o seu trabalho.” O sentimento foi mútuo.

Você tem acompanhado a Convenção Política de Iowa ou as coisas têm sido muito ocupadas durante a temporada de premiação?
Eu tento acompanhar as notícias o máximo que eu consigo, mas isso está se tornando cada vez mais difícil. Eu sou originalmente da Austrália, eu morei nos EUA e no último ano eu morei em Londres. Então eu estou tentando acompanhar o que está acontecendo em três países diferentes. Eu dou o meu melhor, mas talvez eu não consiga estar 100% atualizada de tudo.

Eu acho que ninguém consegue. Você vai ao Oscar?
Infelizmente não. Eu estou em Nova Iorque apenas por alguns dias, mas depois eu tenho um trabalho para fazer na Europa, então eu preciso voar de volta bem rápido. Mas eu definitivamente vou assistir de casa.

Há um diretor específico que você quer ver ganhar?
Essa pergunta é difícil, porque há filmes muito bons. Eu sinto que se você faz um filme que as pessoas se identificam, você merece ser reconhecido de qualquer jeito ou forma. Eu não tenho um favorito para ganhar. Eu não vou falar mais do que isso.

Há um filme que você gostaria que ganhasse por melhor fotografia?
Nossa! Essa é difícil. Você sabe o porque? Vai soar ignorante, mas não é deliberadamente ignorante e toca no ponto que eu disse antes sobre ficar me mudando: eu não assisti todos eles e eu nunca gosto de dar opinião sobre algo se eu não assisti a todos os filmes. Então eu vou assistir a todos eles e depois eu volto a falar com você sobre isto.

Quais são os livros que estão atualmente na cabeceira da sua cama?
Certo, então eu tenho alguns. Eu estou com o meu favorito de todos os tempos, ‘Lights Out in Wonderland’, do DBC Pierre e eu estou com uma autobiografia de uma mulher que esteve na Segunda Guerra Mundial que eu amo.

Quem é a mulher da ‘Segunda Guerra Mundial’?
Talvez eu queira manter em segredo…

Talvez seja algo em que você esteja trabalhando?
Eu não sei. Digamos que eu amo autobiografias. (Risos) Ah, e eu tenho ‘Her Again’ da Meryl Streep.

Quem é um diretor que você tem interesse em trabalhar conjuntamente?
Eu acabei de trabalhar com o Rian Johnson e eu realmente amei trabalhar com ele. Eu acho ele incrível. Também, John East, que estava em ‘Cursed’, que é uma série que eu acabei de fazer. Eu preciso acrescentar aqui: Quentin Tarantino. Porque eu acho que ele tem feito coisas incríveis e eu acho que isso seria legal.

Qual é a última coisa que você faz antes de ir para a cama?
Ligar para a minha melhor amiga. Eu faço FaceTime com meus melhores amigos antes de ir dormir.

O que é a primeira coisa que você faz quando você acorda de manhã?
Bebo água.

Qual foi o último show que você foi?
Da banda do meu amigo Dylan minnette, ‘Wallows’.

Qual foi o último filme que você viu no cinema?
‘Entre Facas e Segredos’

Quais podcasts você anda ouvindo?
Eu gosto do do Russell Brand, ‘Under the Skin’.



Durante entrevista para o jornal The New Zealand Herald, Katherine Langford falou um pouco sobre o filme ‘Entre Facas e Segredos’ (Knives Out), comentando sobre sua personagem, Meg Thrombey, e sobre como foi trabalhar com Toni Collette, que interpreta sua mãe no filme. Confira o trecho a seguir:

“Meg está do lado de querer ser politicamente ativa,” disse Katherine. “Eu acho que o coração dela está no lugar certo e ela sabe de seu privilégio e sua riqueza, mas, no film, vê-la ser tentada pelo que a família dela tem.”

Katherine ficou feliz por sua colega australiana interpretar sua mãe. “Mesmo eu sendo da Austrália, eu nunca tive a oportunidade de trabalhar em casa, então ter a oportunidade de trabalhar com a Toni (Collette) foi incrível.”



Layout criado e desenvolvido por Lannie.D - Hosted by flaunt
Alguns direitos reservados